Vem se tornando cada vez mais comum falarmos de planetas retrógrados, muito por conta do mito criado em torno de Mercúrio retrógrado e as supostas dificuldades que ele nos traz. Mas antes de entendermos o que de fato isso significa, é importante conhecer o fenômeno da retrogradação pelas lentes da astrologia. 

Devemos lembrar que a astrologia é um conhecimento milenar baseado na observação humana do céu e do universo. Ela sempre vai levar em conta o local do observador e no caso da raça humana, estamos observando a vastidão do cosmos a partir da Terra. Todos os planetas do nosso Sistema Solar giram em torno do Sol, a diferentes velocidades e de tempos em tempos apresentam esse movimento aparente de retrogradação. É como se o planeta estivesse andando para trás, embora isso não aconteça de fato. É apenas uma sensação que temos, olhando a partir da Terra. Utilizando um exemplo prático, é a mesma percepção de quando estamos parados no trânsito e o veículo ao lado parece andar para trás, quando na verdade foi o nosso carro que se deslocou. 

O retrógrado nos fala desse momento de recuo e para a astrologia isso faz referência a um passado, onde temos ajustes e prestações de contas. Toda vez que localizamos um planeta retrógrado, seja em um trânsito, no céu ou em um Mapa Astral, estamos nos referenciando a algo do passado que hoje se manifesta. E isso não é algo ruim, embora seja desafiador. É importante desconstruir esse mito de negatividade que existe em torno dos retrógrados. Ele nos traz um momento de reflexão, onde podemos parar para analisar de onde certas questões se originam, de onde elas vêm. 

Quando falamos de Mercúrio retrógrado, por exemplo, é comum dizer que ele atrapalha as comunicações. Mas na verdade ele nos sinaliza que é tempo de rever, de pensar no que estamos falando, em como estamos falando e no que não foi resolvido e vem gerando essa dificuldade de conexão. 

Planetas retrógrados no Mapa Astral

É comum termos planetas retrógrados no Mapa Astral, inclusive no signo solar, e isso não representa um problema, não decreta se o indivíduo terá uma vida mais difícil e desafiadora do que os outros. Porém é um fator que influencia bastante a análise dessa Mapa, por isso ela precisa ser feita com toda atenção.

A presença desse movimento nos mostra pontos que precisam ser retornados e atualizados em nossa vida, que não podemos deixar para trás e fingir que não existem, demonstram ali uma concentração maior de energia. São questões que retornam e precisam ser solucionadas. 

Pense, por exemplo, em uma pessoa que está saindo de casa. Quando já está na rua, ela percebe que esqueceu as chaves, então volta para casa, pega suas chaves e segue seu rumo novamente. Assim é a retrogradação de um planeta. Um momento em que paramos para refletir, avaliar, olhar para dentro e analisar o que precisa ser revisto. Quando ele volta ao seu movimento direto, o ideal é que possamos seguir com esses pontos resolvidos.  

Podemos ter mais dificuldade e desafios nos assuntos que envolvem o planeta que está retrógrado em nosso mapa. Mas isso também representa uma chance de nos aprofundarmos no tema que ele representa, de trabalharmos nele e assim melhorarmos aquele ponto que poderia ser negativo. Tudo depende de como canalizamos essa energia. 

Planetas e a retrogradação 

Planetas Pessoais: São os planetas que reúnem os elementos básicos da nossa personalidade. Seu movimento é mais rápido, ficando retrógrados mais vezes. 

Mercúrio retrógrado: Mercúrio é o planeta da comunicação. Ao ficar retrógrado, nos fala da necessidade de revermos a forma como estamos nos expressando. 

Vênus retrógrado: O planeta do amor, do cuidado, das relações. Sua retrogradação é uma oportunidade de avaliarmos nossos relacionamentos, não só amorosos, mas também familiares e amizades.  

Marte retrógrado: Marte rege nossa energia, nossa força de ação. Seu movimento retrógrado é uma boa oportunidade para uma auto análise, uma revisão geral da vida. 

Planetas Sociais: Nos falam do nossos aspectos em um grupo social. Tem uma movimentação média – nem tão rápida quanto os pessoais e nem tão lenta quanto os geracionais. 

Júpiter retrógrado: Júpiter é o planeta da boa sorte, que nos aponta um caminho a seguir. Sua retrogradação é um momento de refletirmos sobre as nossas escolhas. 

Saturno retrógrado: Planeta das responsabilidades, Saturno nos ensina os limites da realidade. Seu aspecto retrógrado nos traz a oportunidade de reogarnizarmos nossa vida. 

Planetas Geracionais: São os planetas que ficam retrógrados por mais tempo, por isso é comum que mais pessoas compartilhem de seu efeito. Justamente por seu tempo longo de retrogradação, trazem aspectos mais voltados para o coletivo, para a sociedade como um todo. 

Urano retrógrado: Urano nos fala de vontade de mudança, de liberdade. Seu movimento retrógrado nos faz avaliarmos as situações que nos prendem e nos limitam. 

Netuno retrógrado: Netuno representa nossos sonhos, nossa intuição. Sua retrogradação nos cobra uma maior atenção para situações que criam ilusões e enganos. 

Plutão retrógrado: Plutão é a finitude das coisas, a transformação. Seu aspecto retrógrado traz a necessidade de desapegarmos das coisas como conhecemos.   

Planetas retrógrados não devem ser tratados como um mito, e sim como uma boa oportunidade para resgatarmos o que precisa ser revisto. Um respiro onde podemos rever os pontos da nossa vida com calma e atenção. 

Acompanhe o blog de Claudia Lisboa e não perca o conteúdo rico e completo sobre astrologia, essa ferramenta poderosa que nos guia rumo ao autoconhecimento.