A Astrologia é uma ferramenta incrível para conhecer a si mesmo. Aprender esse saber é dar o primeiro passo para lidar com seus conflitos internos e exercer sua essência da melhor forma possível, seja na vida pessoal, profissional, afetiva, ou em qualquer outra área. No entanto, esse processo é muito mais abrangente do que pode parecer: autoconhecimento não significa apenas saber olhar para o seu interior, mas também se perceber como parte de algo muito maior, o universo.

Entender Astrologia é essencial para quem deseja compreender melhor a si mesmo. E essa compreensão dialoga diretamente com nossas relações, afinal somos seres sociais. 

Hoje você vai descobrir mais sobre como os astros influenciam nossas vidas: o que existe por trás dos signos, o impacto dos planetas, da Lua, do Sol e, é claro, um pouco da história dessa área tão importante do conhecimento humano.

O que é Astrologia?

Podemos definir a Astrologia como o campo do conhecimento que se dedica a estudar a influência dos astros na vida do indivíduo. Ou seja, ela pressupõe que a forma como os astros se posicionam e se movimentam no universo interfere diretamente no construção da identidade de cada um, podendo até mesmo nos influenciar individual e coletivamente através de desafios e potências.

Ao estabelecer essa relação clara entre os astros e cada um de nós, pode-se dizer que a Astrologia se baseia em uma perspectiva holística, ou seja, na ideia de que absolutamente tudo aquilo que existe no universo está correlacionado de alguma maneira. Por exemplo: a forma como os planetas estão alinhados no exato momento em que nasce uma nova vida diz muito sobre os talentos, missões e propósitos da existência deste ser. 

Uma análise astrológica, portanto, parte da observação das posições dos planetas e outros astros no momento de um acontecimento, considerando o dia, mês, ano, local e horário exatos. A chamada mandala astrológica registra graficamente essas posições celestiais para que o astrólogo possa interpretá-las.

Em nossos artigos, pouco a pouco você vai descobrir mais sobre esse campo, suas particularidades e como é possível aplicar os conhecimentos astrológicos no seu dia a dia, evoluindo e aproveitando o melhor de cada momento!

Sobre os signos

Você provavelmente sabe qual é o seu signo ou pelo menos já teve algum interesse no assunto, mas afinal, o que significa dizer que alguém é de Áries ou de Leão, por exemplo?

Primeiramente, é preciso lembrar que o signo nada mais é do que o seu signo solar. Ele revela como uma pessoa se mostra para o mundo, norteando sua personalidade e definindo a energia que é capaz de emanar. Portanto, ser leonino significa ter o Sol no signo de Leão, e o mesmo vale para os demais signos do zodíaco. . 

Vamos repassar brevemente quais são os doze signos do zodíaco, mas lembre-se de se aprofundar nesse conhecimento posteriormente no blog nos artigos sobre as características dos signos.

* Áries: de 21 de março a 19 de abril. As pessoas desse signo são dotadas de um grande espírito de liderança e tendem a ser corajosas. A impulsividade e o egocentrismo também são marcas de sua personalidade que podem ser trabalhadas através do equilíbrio e da ponderação.

* Touro: de 20 de abril a 20 de maio. Os taurinos tendem a ser pacientes e bastante ligados aos prazeres proporcionados pelos sentidos, o que faz com que sejam conhecidos pela teimosia e pela gula. Eles também costumam ser firmes, receptivos e práticos.

* Gêmeos: de 21 de maio a 21 de junho. Curiosos, os geminianos são essencialmente duais e instáveis. São capazes de vislumbrar as mais diversas opções e por isso, são indecisos. Flexibilidade, inquietude e um forte poder de comunicação são alguns traços marcantes deste signo.

* Câncer: de 22 de junho a 22 de julho. É tido como um dos signos mais sensíveis do zodíaco, sendo intuitivo e zeloso. Suas emoções podem ser instáveis e marcadas por uma dramatização exagerada em alguns momentos. Além disso, são dotados de uma imaginação fértil e de um forte instinto de proteção.

* Leão: de 23 de julho a 22 de agosto. Leoninos são muito seguros de si e tornam-se facilmente o centro das atenções onde quer que estejam. São também muito generosos e criativos, embora tenham uma propensão à arrogância, ao egocentrismo e até ao autoritarismo.

* Virgem: de 23 de agosto a 22 de setembro. Se você conhece alguém calmo, metódico, perfeccionista e super organizado, é possível que se trate de um virginiano. Este signo é associado à terra e à natureza, e seus nativos são pessoas de grande inteligência analítica, podendo por vezes exagerar nas críticas ou se cobrar demais. 

* Libra: de 23 de setembro a 22 de outubro. É um signo bastante pacífico e dotado de grande facilidade para resolução de conflitos. Seu símbolo, a balança, pode representar a capacidade de ponderar e equilibrar,  mas também uma boa dose de indecisão. Além de seu grande senso estético, o libriano é conhecido pela cooperação. 

* Escorpião: de 23 de outubro a 21 de novembro. Os escorpianos são intensos, demonstram uma grande força de vontade em todos os seus empreendimentos e um poder de transformação e regeneração significativo. Também tendem a ser sarcásticos e ressentidos, e sabem extrair o melhor dos medos e traumas mais profundos.

* Sagitário: de 22 de novembro a 21 de dezembro. O signo do centauro representa a busca por um sentido para a existência. O desejo pela expansão intelectual é uma característica notável deste signo, que vive buscando novos estudos, viagens e conhecimentos. Apesar do senso de humor, pode ser impulsivo, exagerado e obstinado demais.

* Capricórnio: de 22 de dezembro a 19 de janeiro. Capricornianos são produtivos, racionais, práticos e possuem um imenso senso de responsabilidade. Além da visão por vezes fatalista e da aparante frieza, o signo da cabra montanhesa conserva emoções que, uma vez cristalizadas, devem ser trabalhadas através da sensibilidade.

* Aquário: de 20 de janeiro a 18 de fevereiro. A maior parte dos aquarianos possui uma essência visionária, fraterna e solidária. Sua originalidade e independência são marcantes, e o aquariano pode acabar conservando grandes impaciências e tensões oriundas de suas utopias e constantes desejos por mudanças.

* Peixes: de 19 de fevereiro a 20 de março. Este signo representa a sensibilidade e o amor universal. Os nascidos com o Sol neste signo possuem forte intuição e costumam absorver as energias das atmosferas por onde passam. Dotados de um forte senso artístico e imaginativo, são tão sonhadores que acabam se desconectando da realidade.

Os planetas na Astrologia

Os planetas que compõem o Sistema Solar também têm a sua participação no mapa astral! Primeiramente, vale lembrar que as funções de Lua e o Sol são as mesmas dos Planetas na Astrologia. Em resumo, eles representam qualidades inatas a cada indivíduo e como elas se manifestam em suas relações familiares, profissionais, afetivas etc.

Ao analisar a posição de cada planeta em um mapa astral, existem três pilares que precisam ser considerados: o signo do zodíaco que ele ativa, a casa que ocupa (por exemplo: casa 2, bens materiais; casa 6, trabalho, rotina e saúde;) e os ângulos formados com outros planetas, os chamados aspectos.

Assim, por exemplo, o planeta Mercúrio é o planeta regente da comunicação, da linguagem e das trocas, enquanto o planeta Vênus conecta-se com os conceitos de beleza e ao amor.  Enquanto isso, Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar, diz muito sobre como a pessoa busca dar sentido para a sua própria vida.

Para entender melhor o seu Mapa Astral, é preciso ler também sobre os planetas e seus papéis. Afinal, não basta apenas conhecer seu signo solar para se autoconhecer através da Astrologia. É preciso entender o papel de cada astro e como cada um deles interfere na sua personalidade e nas suas missões e aprendizados de vida.

Ascendentes

Além de todos esses conceitos, também é importante conhecer melhor o Signo Ascendente. Basicamente, ele representa o estilo e a primeira impressão de alguém, podendo direcionar ou condicionar aspectos da sua personalidade e essência. É graças ao signo ascendente que dois indivíduos com o mesmo signo solar podem ser e se expressar de formas tão distintas.

O ascendente traz as características através das quais somos vistos e reconhecidos, e representa também potencialidades que precisamos desenvolver. A ideia é que, com o passar do tempo, o indivíduo consiga conciliar melhor seu signo solar e seu signo ascendente, sendo cada vez mais fiel à sua própria essência.

A Lua na Astrologia

Como vimos anteriormente, a influência da Lua na Astrologia é a mesma de um planeta e, portanto, existe o Signo Lunar: ele é determinado pela posição que esse astro ocupava no momento exato do seu nascimento. Diferentemente do signo solar, nesse caso, as características são evidenciadas quando estamos em círculos de convivência mais íntimos, ou então em nosso interior. Ou seja, é o signo que revela como cada pessoa vivencia suas emoções.  

Por exemplo: quem tem a Lua em Câncer sente as emoções de forma intensa até mesmo dramática. Já a Lua em Leão, pode fazer com que a pessoa sinta a necessidade de assumir o protagonismo constantemente em suas relações amorosas, o que pode gerar conflito, especialmente se o outro não estiver disposto a permanecer sempre nos bastidores.Em nosso site também temos um conteúdo bem completo sobre como o simbolismo e a função da Lua na Astrologia, para que você continue a sua jornada em busca do autoconhecimento!

História da Astrologia

Mas, afinal, como tudo isso começou? De acordo com os registros históricos, a Astrologia começou a ser praticada pelos povos que ocuparam a região da Mesopotâmia, ou seja, as civilizações mais antigas da humanidade. Um desses povos, os Caldeus, foi durante muito tempo reconhecido pelo enorme conhecimento de Astrologia. A valorização deste saber era tamanha que muitas cidades possuíam suas próprias torres de observação dos astros.

Os gregos iniciaram seus estudos e conhecimentos astrológicos a partir da conquista do Império Persa. Posteriormente, quando a Roma conquistou a Grécia, absorveu todos esses saberes, levando a Astrologia a atingir o seu auge. Houve imperadores, inclusive, que utilizavam os conhecimentos astrológicos para compreender melhor os seus rivais e as oportunidades de crescimento de seus impérios.

Na Idade Média, a Astrologia e a Astronomia foram separadas, e a primeira passou a ser duramente perseguida, voltando a ser difundida na Renascença. Aliás, cientistas mundialmente consagrados passaram a valorizar os conhecimentos astrológicos, como Galileu e Kepler, por exemplo.

Com isso, pouco a pouco ela voltou a ser estudada e praticada com maior liberdade, assumindo o status que possui hoje de ajudar o indivíduo a garimpar seu interior e deparar-se com sua essência e sua relação com o universo.

Para ler mais sobre Astrologia, confira os demais artigos em nosso blog!